Dr. Teuto

Novidades

Novidades


20/06/2013

Terapia com prata torna bactérias mil vezes mais sensíveis a antibióticos

Baixas doses do metal abre o caminho para novas terapias contra infecções resistentes a drogas e recorrentes

O tratamento de bactérias com um composto contendo prata impulsionou a eficácia de uma ampla gama de antibióticos utilizados e os ajudou a combater infecções letais em ratos. É o que revela estudo de pesquisadores do Wyss Institute for Biologically Inspired Engineering at Harvard University, nos EUA.

A pesquisa mostra que o metal ajudou a tornar uma estirpe de bactérias resistente aos antibióticos novamente sensíveis aos medicamentos e expandiu o poder do antibiótico Vancomicina, que geralmente só é eficaz em matar bactérias Gram-positivas, como Staphylococcus e Streptococcus.

A prata permitiu que Vancomicina, pela primeira vez, penetrasse e matasse as bactérias Gram-negativas, grupo que inclui micróbios que podem causar intoxicação alimentar e infecções adquiridas em meio hospitalar.

O metal também provou ser útil para dois tipos de infecções persistentes que geralmente exigem repetidas rodadas de tratamento com antibióticos e várias consultas médicas: bactérias que ficam dormentes durante o tratamento antibiótico e depois causam infecções recorrentes, e os biofilmes microbianos que envolvem cateteres e articulações protéticas.

"Os resultados sugerem que a prata pode ser extremamente valiosa como um complemento a tratamentos com antibióticos existentes", afirma o pesquisador Jim Collins.

Nos últimos anos, mais bactérias causadoras de doenças têm se tornado resistentes aos antibióticos comuns, com graves consequências para a saúde pública. No entanto, as empresas farmacêuticas têm lutado por anos para desenvolver novos tipos de antibióticos que visam essas bactérias. Isso levou os cientistas a reexaminarem métodos mais antigos que foram usados para combater a infecção bem antes de usar penicilina na década de 1940. O tratamento com a prata, que tem sido utilizado desde a antiguidade para prevenir e curar infecções, é um deles.

Apesar da longa história de uso na clínica de prata, ninguém entendia plenamente como esse metal mata as bactérias.

Para descobrir o mecanismo de ação, a equipe tratou tensões normais e mutantes da bactéria E. coli com um composto de prata. Em seguida, eles observaram sob o microscópio eletrônico e realizaram uma série de testes bioquímicos.

A equipe descobriu que os compostos de prata levaram as bactérias a produzir mais espécies reativas de oxigênio, moléculas quimicamente reativas que danificam o DNA e as enzimas da célula bacteriana, bem como a membrana que envolve a célula. A prata também tornou a membrana celular das bactérias mais fraca.

Embora a prata tenha sido utilizada sozinha como uma terapia no passado, os cientistas suspeitavam que ambas as mudanças podem tornar as células mais vulneráveis aos antibióticos convencionais e que, uma pequena quantidade de prata tornou as bactérias E. coli entre 10 e 1 mil vezes mais sensíveis a três antibióticos vulgarmente utilizados: gentamicina, ofloxacina e ampicilina.

"Se você conhece o mecanismo, você pode ter muito mais sucesso fazendo terapias combinatórias", afirma o pesquisador Ruben Morones-Ramirez.

Segundo os pesquisadores, as doses de prata necessárias para ajudar os antibióticos a matarem as bactérias estavam muito abaixo do que poderia prejudicar os ratos. Também não prejudicaram as células humanas cultivadas, o que sugere que a prata oral e injetável pode ser segura para os seres humanos também.

Fonte: ISaúde.net