Dr. Teuto

Blog

Blog


26/11/2021 Notícias

Taxa média de anticorpo neutralizante é de 64,8% na pós-vacinação contra Covid

Exame de anticorpos neutralizantes difere de outros testes sorológicos que identificam apenas a produção de anticorpos após a infecção, como o IgG e IgM, revela pesquisador.

Taxa média de anticorpo neutralizante é de 64,8% na pós-vacinação contra Covid

De acordo com o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, mais de 156 milhões   de pessoas (56,52%) tomaram a primeira dose de vacinas. Somando a primeira, a segunda, a dose única e a dose de reforço são 287.050.838 doses aplicadas desde o começo da vacinação.

Desta forma, pode-se intuir que a queda nas internações de casos graves e a diminuição dos óbitos se devem ao avanço da vacinação.

Mesmo diante desses números, algumas pessoas sentem a necessidade de avaliar a imunidade, como forma de validar o potencial da vacina na produção de anticorpos neutralizantes.

Um levantamento interno realizado pela DNA Consult, laboratório de análise genética especializado em biotecnologia localizado em São Carlos (SP) e que realiza esse tipo de exame, aponta que a taxa média de anticorpos neutralizantes produzidos foi de 64,8% nos resultados de quem já fez o exame, chamado de COVID Imuniza.

Leia também: A importância da higiene oral em pacientes acometidos pelo SARS-CoV-2

No total, 53,9% apresentaram diagnósticos positivos para a produção de anticorpos neutralizantes e 38,5% tiveram amostras negativas.

Entre as amostras positivas, 15,4% das pessoas apontaram uma taxa de anticorpos neutralizantes acima de 80%. Já 20,6% dos pacientes apresentaram um potencial de imunidade de 60 e 70%. Cerca de 17,9% obtiveram uma taxa de anticorpos neutralizantes entre 22% e 50%. Já os índices abaixo de 20% representam resultados negativos.

“É importante destacar que o exame de anticorpos neutralizantes difere de outros testes sorológicos que identificam apenas a produção de anticorpos após a infecção, como o IgG e IgM. A análise de anticorpos neutralizantes reconhece o anticorpo anti-spike, que impede que o SARS-CoV-2 penetre na célula e cause a infecção”, explica Euclides Matheucci, fundador e diretor científico do laboratório.

Ainda segundo Euclides, embora os resultados possam apresentar uma taxa percentual de criação de anticorpos neutralizantes no corpo do paciente, este não é o único indicador de imunidade contra o vírus.

“O sistema imunológico é extremamente complexo e não se limita somente aos anticorpos neutralizantes, existe também a imunidade celular que consegue proteger contra o vírus, mas é difícil de ser calculada.

Então se alguém fez o exame de anticorpos neutralizantes e teve um resultado inferior a 20%, isso não significa que ela não esteja imune ao vírus. E mesmo quem tenha apresentado um resultado positivo superior ainda precisa tomar os cuidados necessários para não se infectar”, completa.

Leia também: Estudo incentiva o uso de máscaras de proteção contra a Covid-19

Diante desse cenário, é importante manter os cuidados já conhecidos por todos.

Ainda há uma parte da população não vacinada, e deve-se evitar que novos registros de infecção ocorram.

Estamos chegando perto de finalizar uma luta, mas a batalha ainda não está ganha.

Acompanhe nossos informativos.

Esteja sempre munido(a) de boas informações aqui no nosso blog ou em nossas redes sociais!

 

Fonte:

- https://medicinasa.com.br/covid-vacina-imunidade/

Assuntos relacionados: pós-vacinação contra Covid