Dr. Teuto

Blog

Blog


05/03/2021 Notícias

Exames de prevenção: Como a Covid-19 tem afetado a prevenção de outras doenças?

Realização de exames preventivos caem durante a pandemia

Exames de prevenção: Como a Covid-19 tem afetado a prevenção de outras doenças?

Para evitar aglomerações e impedir a disseminação da pandemia, hospitais e clínicas têm se empenhado em reduzir o número de pacientes no estabelecimento. Por causa da doença é necessário também diminuir o volume de exames de prevenção sempre que possível.

Infelizmente tal cenário adia a detecção de doenças graves e pode impedir o correto tratamento de doentes crônicos. O objetivo deste post é expor alguns dados sobre a crescente redução dos atendimentos eletivos e propor algumas mudanças para que esses pacientes não sejam prejudicados.

Como a Covid-19 afeta o atendimento hospitalar?

Apesar de todos os cuidados para conter a disseminação da doença no ambiente, os hospitais oferecem maior risco de contaminação de médicos e pacientes. Por esse motivo, esses estabelecimentos buscam atender apenas casos graves ou de pessoas contaminadas pelo coronavírus .

Esse procedimento foi definido para que eles possam:

  • aumentar a quantidade de leitos disponíveis para os enfermos;
  • ter mais profissionais disponíveis para atendimento rápido;
  • reduzir o contágio da Covid-19 e de outras doenças em pacientes e profissionais da saúde.

Como proceder com aqueles que demandam atendimento hospitalar? 

Quando a condição do paciente evolui de forma grave e exige atendimento urgente, estando ou não com Covid-19, é preciso fazer o procedimento médico necessário e o liberar, para que ele não seja exposto a complicações durante o período de recuperação.

Para reduzir o risco de contaminações, médicos agora tentam reverter quadros de apendicites, colecistites, diverticulites, pancreatites, úlceras perfuradas, obstruções  intestinais, hérnias e outras doenças comuns através de tratamentos alternativos

Geralmente esses tratamentos são menos invasivos e não exigem longa estadia no hospital. Drenagens e medicações específicas em quadros de menor gravidade podem ser viáveis e eficazes durante esse período.

Cirurgia de condições clínicas que não incluem traumas não são indicadas para pessoas com ou sem coronavírus. Caso o paciente esteja assintomático e não haja necessidade de cirurgia urgente, o procedimento deve ser adiado.

Percentuais de procedimentos reduzidos

De acordo com pesquisas recentes, durante a pandemia no brasil ocorreu a redução de:

  • 70% de cirurgias oncológicas;
  • 90% das biópsias encaminhadas para análise, atrapalhando o diagnóstico de doenças graves;
  • 22% em exames de prevenção;
  • 32% em cirurgias eletivas.

E mencionamos isso sem considerar os transplantes, que também sofreram uma redução considerável: 

  • transplantes de coração e medula tiveram 25% de redução;
  • transplantes de córnea tiveram uma redução superior, chegando a 51%.

Como proteger pacientes durante a pandemia?

Com esses dados, podemos apontar que a melhor forma de prestar atendimento sem prejudicar a qualidade e a saúde dos pacientes é:

  • oferecendo serviços de telessaúde, que permitem o acompanhamento do paciente sem que ele precise sair da residência;
  • disponibilizando tratamentos ou procedimentos alternativos, evitando internações ou cirurgias quando possível;
  • minimizando o tempo de permanência no ambiente hospitalar, se certificando que os atendimentos sejam rápidos e precisos;
  • conscientizando o paciente sobre os riscos da Covid-19 durante o tratamento.

O que você acha dessas sugestões? Tem algo a sugerir? Deixe nos comentários. Não se esqueça de se inscrever em nossa newsletter para receber novos conteúdos!

 

Fonte:

http://www.flip3d.com.br/pub/cfm/?numero=310&edicao=5100#page/4
https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-69912020000100308&script=sci_arttext&tlng=pt
- https://www.rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/10748/9653
- https://cienciasmedicasbiologicas.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/36559

Assuntos relacionados: EXAMES DE PREVENÇÃO, COVID-19