Dr. Teuto

Blog

Blog


27/11/2020 Notícias

Coronavírus: um a cada seis pacientes voltou a testar positivo para a doença

Estudo italiano faz descobertas interessantes sobre a persistência dos sintomas

Coronavírus: um a cada seis pacientes voltou a testar positivo para a doença

Em setembro deste ano pesquisadores italianos publicaram um estudo sobre o coronavírus na revista científica American Journal of Preventive Medicine (AJPM), intitulado Predictive Factors for a New Positive Nasopharyngeal Swab Among Patients Recovered From COVID-19, que traduzido livremente para a língua portuguesa significa o mesmo que “Fatores preditivos para um novo teste positivo entre pacientes recuperados de COVID-19”.

O grupo de pesquisadores se sentiu motivado para dar início a este levantamento de dados, pois constatou a ausência de estudos focados em pacientes recuperados da COVID-19, visto que a maioria dos pesquisadores estavam concentrados apenas em pacientes infectados e na descoberta de tratamentos e vacinas, por exemplo.

A falta de estudos que se debruçassem sobre os ex-pacientes de COVID-19 resultou na ausência de dados conclusivos sobre qual seria o tempo de quarentena adequado para os pacientes acometidos pela doença. Isso acarretou na liberação de pacientes que ainda eram portadores potenciais do vírus e que ao retornarem para as suas casas e para o convívio social continuavam transmitindo a doença.

Interessou-se pelo assunto? Então, continue acompanhando este post e saiba mais sobre as descobertas científicas obtidas. Boa leitura!

Os resultados do estudo

A pesquisa publicada no AJPM contou com uma amostra de 137 pacientes que haviam se recuperado da Covid-19. Do total de 131 indivíduos que repetiram o teste swab nasofaríngeo, 22 (16,7%) apresentaram novamente resultado positivo para a SARS-CoV-2.

Além disso, outra descoberta interessante identificada pelos pesquisadores neste mesmo estudo foi que determinados sintomas, tais como fadiga (51%), dispneia (44%) e tosse (17%) ainda persistiam nos pacientes, tanto aqueles que testaram negativo, quanto aqueles que testaram positivo para Covid-19.

Sendo assim, os cientistas averiguaram que aqueles pacientes que apresentavam dor de garganta persistente e sintomas de rinite possuíam maior probabilidade de manifestar um resultado positivo no teste para infecção por SARS-CoV-2.

Nesse sentido, os estudiosos concluíram que uma taxa considerável de pacientes recuperados da Covid-19 pode ser portadora potencial do vírus, em particular aqueles indivíduos que apresentam os sintomas citados acima, os quais são os mais comuns à doença.

Desse modo, é necessário que mesmo aquelas pessoas que se recuperaram da Covid-19, caso os sintomas persistam ou caso retornem, realizem a testagem novamente para se certificarem da presença ou não do vírus, bem como mantenham o isolamento social, o uso adequado de máscara facial e a constante higienização das mãos e dos objetos.

Concluindo...

Como você pôde perceber, mesmo ao receber alta do hospital é interessante que o ex-paciente, ao retornar para a casa e para o convívio com seus familiares, ainda fique vigilante quanto aos sintomas que venha a sentir.

Além disso, é importante que as autoridades governamentais e gestores de saúde estejam atentos às pesquisas realizadas sobre o coronavírus, visto que os resultados obtidos através desses estudos poderão orientar a formulação de políticas públicas e a tomada de decisão de forma mais efetiva contra a COVID-19. 

Para receber em primeira mão mais informações como esta, siga-nos no Twitter e mantenha-se constantemente atualizado.

 

Fonte:

https://www.ajpmonline.org/article/S0749-3797(20)30393-7/fulltext

Assuntos relacionados: CORONAVÍRUS