Dr. Teuto

Blog

Blog


20/04/2020 Medicina

Relatório da Anvisa divulga como anda a segurança do paciente no Brasil

Documento reúne os principais esforços dos estabelecimentos de saúde

Relatório da Anvisa divulga como anda a segurança do paciente no Brasil

A segurança do paciente no Brasil tem sido alvo constante de estudos e avaliações sobre como anda a sua qualidade. Dada a importância para pacientes, famílias, profissionais de saúde e gestores, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) divulgou recentemente o Relatório de Autoavaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente em Serviços de Saúde referente ao ano de 2019, com considerações importantes sobre esse tema.

Acompanhe a seguir os aspectos mais relevantes evidenciados no documento.

Destaques e descobertas do relatório

O relatório da Anvisa apontou que, em uma análise geral, as unidades e estabelecimentos hospitalares no país, têm procurado por formas de investir na criação de estruturas que estejam cada vez mais em conformidade com as boas práticas de segurança do paciente no Brasil.

É um ponto positivo, entretanto, ainda existe um nível significativo de carência, em termos de investimento, para melhorias nos processos.

Outro destaque negativo é a falta de estratégias práticas e seguras. Esse ponto envolve de aspectos complexos, como o processo de realização dos procedimentos cirúrgicos, até coisas mais simples, como a prevenção de lesão por pressão, quedas e uso de preparação alcoólica para a limpeza das mãos nas unidades.

O relatório também evidenciou que existe uma grande necessidade de promoção de incentivos à cultura de segurança por parte das lideranças dos serviços de saúde e dos gestores.

Trabalhar esse ponto é muito importante para que exista uma discussão transparente sobre o desenvolvimento de estratégias que possam ajudar a prevenir eventos que compliquem a assistência à saúde.

Importância do relatório

A segurança do paciente no Brasil pode ser entendida como reduzir, a um mínimo que seja considerado aceitável, os riscos de danos desnecessários que possam estar relacionados aos cuidados de saúde.

A preocupação em torno desse tema não é algo específico do Brasil. Na realidade, é constante em uma série de estudos e pesquisas sobre essa linha de serviços em países desenvolvidos.

Diante disso, a importância de se analisar e trabalhar em cima dos pontos críticos apontados no Relatório de Autoavaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente em Serviços de Saúde de 2019, reside no objetivo de se prevenir os problemas que podem comprometer o paciente e a própria unidade hospitalar. Ou seja, ao melhorar as deficiências, o estabelecimento de saúde também ganha.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em uma ação conjunta com as Coordenações Estaduais, Distrital e Municipais de Segurança do Paciente (VISA Segurança do Paciente) têm promovido o monitoramento dos dados desde 2016, principalmente nos serviços de saúde disponibilizados e realizados em hospitais que contam com leitos de Unidade de Terapia Intensiva.

Como se trata de algo que não pode ser negligenciado sob nenhuma circunstância, vale destacar as iniciativas dos próprios administradores e gestores que buscam projetos que ajudem a ampliar o nível de segurança nas práticas médicas como um todo.

Criar estratégias, capacitar, monitorar e direcionar melhor as práticas para otimizar a segurança do paciente no Brasil é um processo que demanda tempo, estudo e empenho por parte dos principais envolvidos — gestores e profissionais de saúde. Além de ter plena consciência disso, é preciso que tenham, também, persistência para buscar por mudanças positivas.

Assuntos relacionados: segurança do paciente no Brasil