Dr. Teuto

Blog

Blog


29/03/2018 Medicina

Amamentação e o risco da obesidade infantil: Qual a ligação?

Dieta pouco saudável da mãe pode aumentar as chances de obesidade no bebê, de acordo com estudo.

Amamentação e o risco da obesidade infantil: Qual a ligação?

Um estudo apresentado no ENDO 2018, um dos mais importantes congressos de endocrinologia do mundo, revelou que a dieta da mãe durante a amamentação pode afetar a saúde da criança durante o crescimento.

A obesidade, puberdade precoce, predisposição a diabetes e problemas férteis são as principais consequências de acordo com o estudo. Segundo o levantamento dietas ricas em gordura são as principais vilãs da qualidade de vida dos bebês.

A pesquisa foi feita com camundongos e ainda precisa ser aplicada em humanos. Contudo, os cientistas já confirmam que esses resultados foram os mesmos de estudos anteriores.

O estudo

Para chegar a esses resultados pesquisadores da Universidade de Toledo, em Ohio, examinaram dois grupos de roedores.

No primeiro grupo as gestantes foram alimentadas com dietas ricas em gordura, logo após o nascimento dos filhotes. Já no segundo, uma dieta saudável e equilibrada acompanhou as roedoras assim que deram a luz até que os filhotes desmamassem.

Depois disso, os cientistas acompanharam os resultados obtidos nos roedores durante o crescimento e a vida adulta. Eles perceberam que os filhotes daquelas que receberam dieta não saudável durante a amamentação apresentaram uma série de problemas.

A primeira coisa percebida foi a diminuição no tamanho da ninhada desses camundongos, em comparação com o segundo grupo. Um sinal, segundo os pesquisadores, de que os roedores apresentavam problemas férteis durante a vida adulta que poderia estar ligada a dieta da mãe.

Os roedores do primeiro grupo também tinham maior propensão ao sobre peso e diabetes. Além do peso extra observado nesses roedores, os pesquisadores descobriram a intolerância à glicose e insensibilidade à insulina. Pontos que alertam para o desenvolvimento da diabetes.

 

 

A responsável pelo estudo, Mengjie Wang, informou que os resultados ainda precisam ser confirmados em humanos. Entretanto, a coordenadora informou que esses resultados reforçam que a obesidade infantil pode causar problemas férteis e metabólicos na vida adulta.

Enquanto o estudo não é confirmado com seres humanos, resta as gestantes tomarem cuidado com sua alimentação. Investir em uma dieta saudável e equilibrada é, sem dúvida, a melhor maneira de manter a qualidade de vida e a saúde dos bebês.

Esse tema é importante pois a obesidade infantil é um problema que assombra muitos países, inclusive o Brasil. Além disso, diversos estudos já comprovaram os malefícios do sobre peso como: pressão alta, diabetes tipo 2, colesterol ruim, problemas cardíacos, entre outras complicações.