Blog


16/02/2018 Medicina

Hanseníase no Brasil: País é o único em que a doença é um problema de saúde pública

Foram mais de 24 mil casos registrados em 2017, segundo dados preliminares.

Hanseníase no Brasil: País é o único em que a doença é um problema de saúde pública

Em 2016 foram registrados 25.218 casos da doença no sistema público de saúde. Já no ano passado, dados preliminares apontam para mais de 24 mil novos casos descobertos durante 2017.

Apesar dos casos terem diminuído em 37% nos últimos dez anos, a doença ainda preocupa as autoridades e o Ministério da Saúde. O Brasil é o único país das Américas a sofrer com o surto da doença e considerá-la um problema de saúde pública.

Nosso país tem 12,29 casos a cada 100 mil habitantes, enquanto o ideal seria 10 a cada 100 mil, de acordo com a OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde).

A hanseníase no Brasil

Os locais mais críticos da doença e mais propícios a identificação dos casos se concentram nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Entre os estados mais problemáticos estão Tocantis, Mato Grosso, Maranhão, Piauí, Pará, Rondônia, Roraima e Pernambuco.

De todos os casos diagnosticados, a maioria foi detectada em homens e mulheres acima de 60 anos. A incapacidade física ocasionada pela doença também é mais comum na terceira idade, risco que cresce 8 vezes se comparado a jovens menores de 15 anos.

Outro ponto que preocupa o Ministério da Saúde é o aparecimento da doença nos adolescentes, menores de 15 anos. A infecção nos jovens representou 6,72% de todos os casos registrados, mas alerta para o crescimento dos focos de transmissão e da infecção recente desses pacientes.

 

 

O maior problema ainda é em relação à conscientização da população sobre a doença e o diagnóstico precoce. A doença é transmitida de uma pessoa infectada sem tratamento para outra, por meio das vias áreas e contato frequente, o que pode contribuir para um surto.

Identificou. Tratou. Curou!

Esse é o slogan da campanha de prevenção e combate a Hanseníase no Brasil, lançada pelo Ministério da Saúde no dia 31 de janeiro. O anúncio foi feito exatamente no último dia do mês chamado de “Janeiro Roxo”, um período dedicado à conscientização e eliminação da doença no país.

Segundo os porta-vozes do Ministério da Saúde o objetivo da campanha é alertar sobre os sintomas da doença, aumentar a procura pelos serviços de saúde e mobilizar os profissionais de saúde para o diagnóstico da doença.

O público-alvo da campanha são homens a partir dos 20 anos e principalmente idosos, já que a maioria dos casos se concentra na população idosa. A campanha também visa alertar para os cuidados com as pessoas que vivem junto aos pacientes já diagnosticados, como forma de tratar a doença já nos primeiros sinais o que aumenta as chances de controle.

Vamos contribuir com essa causa e fazer a nossa parte? Compartilhe este post em suas redes sociais e espalhe essa informação.