Blog


01/11/2017 Notícias

Tuberculose mata 37% menos pessoas, desde o ano de 2000

Relatório divulgado pela OMS apresenta queda na mortalidade, mas ainda há muito que fazer!

Tuberculose mata 37% menos pessoas, desde o ano de 2000

Nesta segunda-feira (30) foi divulgado o Relatório Global da Tuberculose pela OMS (Organização Mundial da Saúde). O documento produzido desde 1997 revelou queda na mortalidade causada pela doença, mas a situação ainda é preocupante de acordo com a Organização.

O levantamento levou em conta o período entre os anos de 2000 e 2016, época em que as mortes causadas pela tuberculose caíram 37% em todo o mundo. As regiões com maiores êxitos no controle da doença, de acordo com o relatório, foram e a Europa e a Ásia-Pacífico.

Embora seja um bom motivo para comemorar, já que foram cerca de 50 milhões de mortes evitadas, os números ainda estão longe do ideal e muito ainda precisa ser feito para atingir a meta mundial.

O acordo feito em Genebra em 2014, entre os 194 estados membros da OMS, prevê uma redução de mortes de 95% e infecções de 90% até o ano de 2035. Mas a Organização Mundial da Saúde diz que os investimentos feitos para combater a doença não são suficientes para chegar a esse marco.

Mortes causadas pela Tuberculose

O relatório da OMS não trouxe apenas boas notícias em relação à tuberculose. Apesar da queda das mortes causadas pela doença, a tuberculose ainda é a maior causa de morte por um único vírus no mundo todo.

Estima-se que 10 milhões de pessoas morrem em decorrência dessa patologia todos os anos. A resistência bacteriana é uma das maiores causas para esse quadro. Além disso, a doença também é a maior responsável pela morte das pessoas que vivem com o vírus da AIDS.

Das 1,7 milhões de mortes em 2016, 400 mil foram de pessoas que vivem com o HIV. E, pelo menos, 10% dos casos de infecção também foram registrados em portadores do vírus de imunodeficiência humana.

 

 

Tuberculose no Brasil

No Brasil a situação ainda não tem nada que comemorar. 13% dos quadros de infecção com tuberculose são de portadores de HIV.

Na situação geral, ocorrem 42 infecções a cada 100 mil habitantes em território nacional. Um número ainda alto para a média das Américas, que gira em torno de 27 casos para cada 100 mil pessoas.

O relatório da OMS elogiou o Brasil no que tange a notificação da doença que, aqui, passou a ser atrelada a entrega de medicamentos pelo sistema público de saúde. Mas deixamos a desejar no tratamento de pessoas co-infectadas com HIV.

Uma prova que ainda há muito a se fazer para chegar aos índices estipulados pela OMS em 2014. E todos precisam fazer a sua parte: médicos, enfermeiros, população e poder público.

Contribua com essa causa compartilhando este conteúdo e ajudando a espalhar esse conhecimento pela web.