Blog


17/05/2013 Notícias

Produto 10 vezes mais eficiente para matar bactérias e fungos é inventado por brasileiros

O professor acredita que, pela potência do material, ele possa vir a se tornar comercial em poucos meses

Produto 10 vezes mais eficiente para matar bactérias e fungos é inventado por brasileiros

Felizmente, o Brasil tem acompanhado um bom desempenho de cientistas e estudiosos tupiniquins, que estão ganhando destaque em processos de inovação e até mesmo desenvolvimento de novos produtos. Desta vez, pesquisadores da UFSCar e da Universidade Estadual Paulista (Unesp) conseguiram desenvolver  um novo produto artificial com eficiência dez vezes maior em exterminar bactérias e fungos, comparando-se com os produtos atualmente disponíveis.

Oriundo da prata, o material é chamado de  tungstato de prata, e também tem propriedades fotoluminiscente e fotodegradante, responsáveis pelo tratamento de compostos prejudiciais ao homem, e que podem ser encontrados na água, por exemplo. O material, surgiu após a sintetização de dois compostos do metal, o molibdato, atuante no metabolismo da bactéria, e o tungstato, que iníbe o desenvolvimento da bactéria.

Em teste para observar o potencial bactericida do produto desenvolvido, foi possível constatar que ele também pode atuar como fungicida. Com seu uso, foi possível eliminar, de maneira consideravelmente rápida, fungos como a Cândida, que causa infecções graves nos seres humanos.

"Alguns produtos encontrados no mercado, atualmente, podem demorar anos para agir," afirma o coordenador do estudo na UFSCar, professor Elson Longo.

O pesquisador informou que o produto passará a ser desenvolvido em escala semiindustrial para a continuidade dos estudos e novos testes, e acredita que o potencial do produto o tornará comercial em poucos tempo.

"Já que esse material é muito mais eficaz, não há concorrência no mercado. Quando a eficácia é semelhante aos demais, se trabalha com o preço do material para que ele possa ser competitivo no mercado, mas como o sistema é muito eficaz, não há concorrência. É um produto mais caro, mas muito mais eficiente", afirma Longo.

*Com informações: Diário da Saúde

Assuntos relacionados: bactéria, infecção, contaminação,