Blog


29/07/2011 Notícias

O preço de não fazer a assepsia das mãos

Segundo relatório da OMS, é mais perigoso ir ao hospital do que andar de avião. Causas estão associadas às infecções ligadas ao tratamento médico, que poderiam ser prevenidas pelo ato

O preço de não fazer a assepsia das mãos

O tema parece batido para o meio médico, mas a Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou um relatório na última semana que alerta para a falta de higiene em ambiente hospitalar. De acordo com a entidade, a vida de uma pessoa corre mais risco num hospital do que em uma viagem de avião.

Um em cada 10 milhões de passageiros pode morrer em um acidente aéreo. No caso de unidades hospitalares, a relação é de um para cada 300 pacientes. E as infecções hospitalares contribuem muito para essa estatística, pois pelo menos 50% dos casos poderiam ser evitados se os profissionais de saúde fizessem a assepsia das mãos antes de ter contato com os pacientes.

Numa tentativa de controlar os casos de infecções hospitalares no Brasil, desde outubro de 2010 a Anvisa obriga hospitais, consultórios médicos e centros de saúde a oferecem álcool para a limpeza das mãos de seus profissionais. Além disso, a resolução da agência ressalta que o álcool é complementar ao ato de lavar as mãos antes dos procedimentos médicos.

A preocupação da Anvisa se justifica diante de outro dado da OMS da última semana. Nos países em desenvolvimento, como é o caso do Brasil, cerca de 15% dos pacientes adquirem algum tipo de infecção associada ao tratamento médico. Diante da correria que grande parte dos profissionais de saúde convive nas unidades de saúde, principalmente públicas, muitos associam a falta de assepsia das mãos ao tempo.

Essa é uma explicação responsável, já que coloca não somente a saúde do paciente em situação vulnerável, como a do próprio profissional? Compartilhe a sua opinião! Ela também pode ajudar a salvar vidas.