Blog


18/11/2010 Institucional

Os desafios da Medicina do Trabalho

A atuação e o mercado de trabalho sob a ótica de Nirley Moreira Arataque, médico do trabalho do Laboratório Teuto

Os desafios da Medicina do Trabalho

Quando chegou ao Laboratório Teuto para trabalhar na recém-criada creche, o pediatra Nirley Moreira Arataque enxergou uma possibilidade a mais de atuação profissional. Era o ano de 1999 e a empresa se despontava como a grande promessa da indústria farmacêutica goiana.

O crescimento do laboratório era certo e demandaria ações para garantir qualidade não só dos produtos, mas também na vida dos trabalhadores. O Ministério do Trabalho exige, desde 1972, a presença dos chamados Serviços Especializados de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho nas empresas, dependendo do grau de risco de suas atividades e do número de empregados.

À época, a Medicina do Trabalho ainda caminhava a passos arrastados. Mesmo diante de restrições, Nirley foi ao Rio de Janeiro se especializar. Atualmente, o médico é responsável por garantir a saúde ocupacional dos 2000 funcionários do Teuto. Para ele, mais do que um emprego, a Medicina do Trabalho é uma satisfação.

A atuação profissional

“O médico do trabalho é responsável por avalizar um ambiente de trabalho salubre aos funcionários e, principalmente, detectar os pontos críticos. Ou seja, aquelas funções passíveis de resultar em doença ou acidente ocupacional. Assim, podemos nos antecipar com ações preventivas”, explica Nirley.

Quando o médico iniciou esse trabalho no Laboratório, cerca de 70 colaboradores estavam afastados por doenças ocupacionais. “Atualmente, este número não passa de 20”, completa. Para conseguir tamanha redução, Nirley adotou uma série de medidas.

Uma delas foi a adoção de um programa de ginástica laboral, exercício físico feito pelos funcionários durante o horário de expediente com o intuito de diminuir os impactos negativos originários do sedentarismo na vida do trabalhador, como as famosas lesões por esforço repetitivo.“Ações como essa motivam o colaborador, na medida em que ele percebe que a empresa está preocupada em proporcionar o seu bem-estar.” atesta o médico.

Ao contrário do que estabelece o senso comum, a rotina de um médico do trabalho não é nada monótona e vai muito além da emissão de exames admissionais, demissionais ou de mudança de área.

“Não somos de ficar presos a consultórios. Há sempre um novo desafio, algo a melhorar, projetos a implantar. É preciso prever o problema antes que ele apareça e, caso ele se concretize, encaminhar o funcionário para o tratamento adequado”, confirma o médico do trabalho do Teuto.

O mercado de trabalho

Além de empresas de grande porte como empregado nos Serviços Especializados de Engenharia de Segurança e de Medicina do Trabalho, o médico do trabalho pode atuar:

•    na normalização e fiscalização das condições de saúde e segurança no trabalho desenvolvida pelo Ministério do Trabalho;
•    na rede pública de serviços de saúde, no desenvolvimento das ações de saúde do trabalhador;
•    na assessoria sindical em saúde do trabalhador, nas organizações de trabalhadores e de empregadores;
•    na Perícia Médica da Previdência Social, enquanto seguradora do Acidente do Trabalho (SAT);
•    junto ao Sistema Judiciário, como perito judicial em processos trabalhistas, ações cíveis e ações da Promotoria Pública;
•    como docente na formação e capacitação profissional;
•    na atividade de investigação no campo das relações Saúde e Trabalho, nas instituições de Pesquisa;
•    em consultoria privada no campo da Saúde e Segurança no Trabalho.

Fonte: ANAMT

Onde se especializar?

•    São Paulo
- Hospital dos Servidores do Estado de São Paulo - IAMSP – Hospital das Clínicas – Depto. Medicina Preventiva Social.

- Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

- USP - Hospital das Clínicas e Depto Medicina Legal.

- UNICAMP – Hospital das Clínicas – Depto Medicina Preventiva e Social – Área Saúde Ocupacional.

•    Rio Grande do Sul
- UFRGS – Hospital das Clínicas – Depto Medicina Preventiva Social.

•    Bahia
- UFBA – Faculdade de Medicina – Hospital das Clínicas CESAT-BA ().

Fonte: ANAMT

Leituras recomendadas

•    Segurança e medicina do trabalho, Editora Atlas.
•    MORAES, Carlos Roberto Naves. Perguntas e respostas comentadas em segurança e medicina do trabalho.
•    ILO – Encyclopaedia of Occupational Health and Safety.
•    Mendes, R. Patologia do Trabalho. Rio de Janeiro, Atheneu, 1995.
•    Rocha. L. E.; Buschinelli, J. T. & Rigotto, R. M. Isto é trabalho de gente? Vida, doença e trabalho no Brasil. Petrópolis, Vozes, 1994.